Objectivos

>> sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Na vida definimos, ou devemos definir os nossos objectivos. Alguns colegas brincam comigo por eu ser, na opinião deles, excessivamente organizado no que ao estudo diz respeito, já são conhecidos os planos de estudos, programados quase ao minuto, antes dos exercícios que vou tendo ao longo da licenciatura. Mas é muito boa a sensação, de ir fazendo um visto à frente de cada objectivo e pensar que já tenho aquela parte da matéria, suficientemente apreendida – nunca é totalmente, obviamente.

Na política também é um pouco assim. Quando ganhei a Jota em Moscavide, propus-me a uma série de objectivos. Alguns, de índole estrutural. Outros, de índole conjuntural, isto é, alguns objectivos como o crescimento de militantes ou a implementação política da Jota no Distrito, por exemplo, que são transversais a todo um percurso. Outros, relacionados com actividades temáticas, feitas a pensar em cada momento, como foi o debate sobre a interrupção voluntária da gravidez, a campanha de solidariedade, o debate sobre o financiamento do Ensino Superior ou a conferência sobre a influência da comunicação social junto da juventude.

E ao mesmo tempo, mentalmente, a mesma sensação. Agora não tenho uma folha, onde faço um visto. Mas mentalmente, à medida que o tempo passa esses vistos vão sendo feitas. E falo com quem me acompanhou desde o primeiro dia, e perdemos horas a relembrar os bons momentos e os pequeninos grandes passos que foram dados. E a folha vai sendo cada vez mais repleta de vistos. O prazer de olhar para trás e sentir que deixamos a nossa marca, que fazemos parte da história daquela instituição é muito gratificante. E um dia, quando for colocado o último visto, acabará um ciclo.

Mas existem sempre novos desafios, novas situações. E quem me conhece, sabe que sou fascinado por novos desafios. Num ápice, faço uma nova listagem mental cheia de novos objectivos, novos desafios, novas metas que me proponho a atingir. Noutras situações, noutros contextos, com novos objectivos e novos destinatários. E voltamos a ter uma nova lista. Um novo desígnio.

A motivação, a vontade, é sempre renovada. Sempre com energia, com a ajuda de Deus, para voltar a colocar muitos vistos nos múltiplos objectivos que vão aparecendo. Em tantas situações. Vamos a isso! Vamos…

1 comentários:

Gil Monteiro 25 de janeiro de 2010 às 10:16  

Passos Coelho ainda vive de um lema que é presente no meu dia dia e de muitos companheiros "mudar gerações"

A velha guarda já algum que teve o seu tempo antena existe uma geração pronta a mudar Portugal !

Eu voto na minha geração!

Vamos mudar Portugal ! Não quero ser uma geração À Rasca mas sim uma geração com VOZ