Carreiras Vence.

>> sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Carlos Carreiras, obteve uma vitória expressiva, ontem à noite, nas eleições para a Distrital de Lisboa do Partido Social-Democrata. Carlos Carreiras, conseguiu mais do que dois terços dos votos expressos, dobrando assim o número de votos da lista opositora, liderada pelo Professor Bacelar Gouveia.

Os militantes do PSD/Lisboa, ratificaram assim, a liderança do Dr. Carlos Carreiras à frente dos destinos do PSD/Lisboa.

Em Moscavide, Carlos Carreiras venceu com 94 votos, contra os 35 votantes na Lista B, liderada por Bacelar Gouveia. Quanto às eleições relativas à AML, 114 votos votaram na Lista A, 8 brancos e 8 nulos, resultado que comprova um consenso muito alargado em torno da Lista candidata.

A Partir de hoje, passo a ser delegado na AML, esperando poder contribuir para o desenvolvimento de boas políticas no PSD/Lisboa.

Uma última nota, para lembrar que há uns meses atrás, o presidente da JSD/Lisboa escreveu uma carta a afirmar que o Presidente do PSD/Lisboa, Carreiras não tinha condições para continuar a liderar o PSD/Lisboa. Os militantes responderam-lhe que não concordavam com ele. Para além da lição democrática, será que não deveria existir, tendo em conta a posição institucional de presidente da Distrital de Lisboa, membro por inerência da Comissão Politica Distrital do Partido, será que não deveriam ser extraídas mais consequências?

Fica a pergunta.

10 comentários:

Anónimo 4 de dezembro de 2009 às 20:52  

Caro Tiago,

Vejamos se entendi a tua preocupação com este Post:

1 - Dar os parabéns ao Carlos Carreiras (o que é de louvar dado que ganhou as eleições) - OK

2 - Dizer que na tua secção o Carlos Carreiras ganhou e mostrar à blogosfera que cumpriram com aquilo que foi pedido (ok, é verdade por isso ninguem censura) - OK

3 - Dizer que o Presidente da JSD Lisboa foi contra o Carreiras - OK

4 - (aqui é que começa a ficar estranha a linha do teu raciocínio)Dizer que ao presidente da JSD lisboa devem ser extraídas mais consequências. Dizes que ele recebeu uma lição democrática. Bom, eu não estou familiarizado com o teu conceito de democracia. Na tua democracia não é democrático discordar? Na tua democracia os resultados eleitorais extinguem as convicções das pessoas? O teu conceito de democracia é afinar pela batuta do partido sem questionar? O teu papel enquanto candidato à JSD Lisboa é andar sempre colado ao que os senhores do partido te mandam fazer? É uma JSD de coitadinhos que defendes?

O presidente da JSD Lisboa discordou do facto de o Carlos Carreiras se ter pronunciado em orgãos públicos contra uma decisão do conselho nacional do partido?

Também achas que aquela intervenção pública em período eleitoral foi responsável? Diz se concordas com ela por favor.

Acho que este teu comportamento de subserviência à estrutura do partido, onde se assiste até ao lider da Distrital do Partido vir aqui ao blog agradecer as palavras de apoio que lhe deste são ilustrativas do percurso político a que, invetivalvelmente, estarás condenado se fores eleito.

Ganhar uma geração? À conta dos favores do partido? Esta geração não precisa disto Tiago.

Andas muito enganado, e para mim, este post foi muito esclarecedor acerca de qual é o teu papel enquanto político.

Cumps,

João S. Nascimento

Tiago Mendonça 4 de dezembro de 2009 às 22:11  

Caro João,

Respondi te num outro post, esperava uma réplica tua, já que a resposta foi longa. Mostrei que levei em consideração o que disseste, e por isso estava particularmente interessado em saber a tua opinião.

Mas vamos lá responder a este teu comentário. Com uma nota prévia: Tenho em consideração que não me conhecesses. Se conhecesses, ficaria mesmo muito ofendido. Asseguro-te, que podem existir pessoas que defendam uma independência face ao partido, da mesma forma que eu. Mas com mais vigor, não encontras, com toda a certeza.

Como deve ter apercebido, pronunciei-me uma vez sobre a Distrital de Lisboa. Fiz um post, algumas horas antes do acto eleitoral, informativo do meu sentido de voto, e explicando as razões. Um texto calmo, ponderado e julgo que com muitíssima educação, que muito faltou ao debate dos últimos dias. Julgo que concordará.

Neste post informei dos resultados, dei os parabéns aos vencedores e referi efectivamente uma questão relativa à JSD/Lisboa. Dividindo: O facto de informar dos resultados e dar os parabéns aos vencedores julgo que não choca. Também dei a António Costa e a José Sócrates. Também dei a Jesualdo Ferreira, aquando da vitória do Futebol Clube do Porto no Campeonato, também dei enfim, até a um concorrente de um programa de televisão. Olha, e aqui há uns dias até a uma amiga que fazia anos dei os parabéns! Não acho que isso demonstre subserviência. Demonstra respeito. Quanto as pessoas ganham dou os parabéns. Quando perdem, se perderam “bem” solidarizo-me, se perderam merecidamente calo-me. E, João, mesmo quando existem certos empates, fico durante meses e meses calado. Quando começa a tocar o chocante, é que não me posso calar mais. Quanto a isto, estamos conversados.
Quanto ao facto de ter aqui colocado os resultados da minha secção, de forma a mostrar que “se cumpriu o que foi pedido”, acho uma insinuação grave. Vou te dar uma novidade: Não estive a mando de ninguém nestas eleições. Era candidato à AML, é normal que tenha apelado ao voto. É normal que fique contente por ter sido eleito de forma clara. Mais: Eu ter ido numa lista, tinha como premissa o consenso. E isto faz prova dessa leitura politica. Achei por bem, evidencia-la. E já que falamos nisto, vais ter que ler estas linhas, sobre o meu percurso político, como tu lhe chamas.

Meu caro, recusei por duas vezes ser candidato a delegado aos Congressos Nacionais do Partido, por entender que a JSD/Moscavide não deveria tomar partido por facções, que era o que existia na secção. Recusei, por uma vez, integrar qualquer Lista na AML (ninguém da minha comissão politica o fez em todas estas ocasiões). Recusei, mais tarde fazer parte de uma qualquer lista candidata à Mesa da Assembleia ou à Comissão Política de Secção, pelas mesmas razões. Durante todos estes anos mantive uma postura de total independência relativamente ao Partido, muitas vezes com prejuízo pessoal. Achas que eu não tinha gosto, em ir a um Congresso do Partido? Achas que não gostava de ter estado na AML nos últimos dois anos? Achas que o trabalho numa comissão politica de secção do Partido, não me motiva? Meu caro, claro que sim. Mas nem tudo pode ser aceite. Em nome da independência e da autonomia da JSD, em nome de uma total equidistância em relação ao PSD, disse sempre não. E só agora, com a secção serena, sem uma lógica de facções, integrei esta lista.

Tiago Mendonça 4 de dezembro de 2009 às 22:11  

Fico ofendido com essa critica. Posso ter bastantes defeitos. Há quem diga que sou precipitado em algumas análises, há quem diga que por vezes cometo algumas injustiças em comparações que faço, há quem diga que não sou um orador fantástico. Posso concordar ou discordar, mas aceito. Agora, autonomia em relação ao Partido, peço desculpa, mas não admito. E depois acho que acabaste por descredibilizar totalmente o teu comentário, quando sustentasses isto com o facto do Carlos Carreiras ter vindo aqui comentar. Tu, fazes ideia se eu sou ou não sou amigo do Carlos Carreiras? Fazes ideia se falamos fora da politica ou não? Não poderia eu ter amigos que comentam aqui no Blogue, que tenham responsabilidades na JSD e no PSD? Há umas semanas, o Dr. Pedro Santana Lopes, veio aqui comentar no Laranja Choque. Qual é a tua teoria? Sou subserviente? E espera por mais alguns dias, para veres um texto de alguém conhecido do PSD, também aqui. Aí sou subserviente com que intuito? Ser primeiro-ministro?

Referiste ainda que se “for eleito”, “candidato à JSD Lisboa”. Também, não posso deixar passar isso em claro. Já anunciei que era candidato ao que quer que seja? Já ouviste isso da minha boca ou leste em algum texto meu? Nunca desmenti, mas também nunca confirmei. E sabes, porquê? Porque para mim o mais importante é mesmo lançar o programa, lançar ideias, debater essas ideias, é fazer parte de um grupo fantástico que organiza iniciativas como aquela que fizemos em Oeiras, como nunca vi esta Distrital fazer, é apresentar um programa atempadamente, como nunca ninguém fez, é ser um dos conselheiros distritais com mais moções apresentadas, enfim é ter uma postura construtiva. Digo sempre tudo bem? Claro que não. Tenho sempre razão? Nem pensar. Mas dou ideias, porque gosto da JSD. Gosto muito. Vibro com a politica e com a vida partidária, no nobre sentido. Adoro, sentir que algo do que faço é importante a um jovem que seja. É isso que me dá gozo, é isso que me dá gosto.

Desculpa o comentário mais emotivo, mas quem não se sente…

Um abraço,
Volta sempre.



P.S(D) – Sobre o meu ultimo paragrafo, dou-te um exemplo paralelo para compreenderes o que quis dizer, pois, provavelmente, fui eu que me expressei mal. Eu sou presidente da JSD/Moscavide, se publicamente, afirmasse que achava que seria conveniente que a Presidente do PSD/Moscavide se demitisse, e ela tive uma vitória histórica uns meses a seguir, eu teria que pelo menos reflectir no sentido das minhas palavras. Se o que disse é correcto, se fiz uma leitura politica acertada. São essas as reflexões que me referia. Mas porque é que não fazes a pergunta que queres fazer? Eu respondo-te. Não, não acho que o Paulo Pereira se deva demitir, por causa do Carlos Carreiras ter ganho. Era o que faltava. São coisas completamente diferentes. Acho, que o Paulo Pereira não tem condições para liderar a distrital, mas por ter revelado incapacidade para colocar as coordenadoras a funcionar, por não reunir periodicamente com os presidentes de secção, por não marcar uma agenda de causas verdadeiramente representativa dos anseios e objectivos dos jovens, por não defender uma só causa importante para os Jovens que vivem, estudam ou residem no Distrito de Lisboa. Acho que não dá mais. Mas nunca, por esta razão, como é obvio. Defendo uma total autonomia da JSD em relação ao PSD. Gostava que lesses as actas das Assembleias de Secção do PSD/Moscavide e soubesses das minhas intervenções. Em todas, sem excepção, discordo e concordo com a Comissão Politica. Porque digo o que penso. Talvez esse seja um defeito meu: Ter o coração muito perto da boca. Ser muito emotivo. É possível.

Anónimo 4 de dezembro de 2009 às 22:51  

Tiago, percebe-se claramente que queres protagonismo. Ès um ponta de ança nas criticas, não concretizas nunca. Daqueles que gera mal estar interno, o teu ultimo paragrafo é daqueles que destabiliza e não tem conteudo nenhum, nem alternativa.

alem disso, andas a fomentar o "ganhar uma geração", coisa que ninguém ainda percebeu o que é. só "calma muita calma" e pouco sumo.

procuras protagonismo na distrital, mas não consegues colocar-te e tens te queimado. fazia mais sentido saires das batalhas, até porque em moscavide não tens vida fácil, porque o psd nunca terá grandes resultados e ninguém vai apostar forte em ti, porque nunca ganhaste eleições em moscavide, vives das vitórias dos outros.

mais ou menos como a tua guerra com o lugar na lista da assembleia municipal, desestabilizas-te e no final, nem foi bom para ti, nem para o partido.

só perdes em ter estas atitudes, pouco maduras politicamente

Anónimo 4 de dezembro de 2009 às 22:56  

Caro João,

Eu reforçaria aqui a sugestão de ler as actas das Assembleias de Secção do PSD Moscavide. Poderá assim aferir do posicionamento quem se tem sido mantido por esta JSD Moscavide e pelo seu presidente.

Pedro Correia

Anónimo 5 de dezembro de 2009 às 05:37  

Caro Tiago,

Em primeiro lugar quero agradecer-te pela resposta.

Nem todos os políticos têm a capacidade de o fazer.

Da mesma maneira que me surpreendeste pela negativa pelo post que escreveste, agora supreendeste-me pela positiva.

Por vezes as palavras escritas enganam, e distorcem o que se quer dizer. Sinceramente Tiago, dei-me ao cuidado de reler o teu post mais vezes. Tenho a convicção clara que aquilo que escreveste inicialmente não corresponde à defesa que posteriormente fizeste do teu post.

Sucintamente, dás os parabéns pela vitória do Carlos Carreiras e sugeres que haja ilacções políticas na Distrital da JSD, pelo meio indicando que na tua seccão venceu o Carlos Carreiras.

Não és um jovem ingénuo que chegou aqui pela primeira vez. Ao escreveres o que escreveste percebes que do teu post se pode extrapolar a leitura que fiz imediatamente. Tanto dá a sensação que estás a escrever isto a mando de alguém, como que dás a sensação que só porque apoiaste o candidato vencedor ao partido que isso te coloca num lugar previligado para a guerra política da JSD.

Utilizaste um argumento que deve sempre ser recusado aos J's de qualquer partido, quando referiste que um J tinha de retirar conclusões políticas de um resultado eleitoral do Partido. Agradeço agradeço que tenhas explicado que não te referias à demissão do presidente.

Lamento ter sido injusto na apreciação que fiz à tua autonomia em relação ao partido. Deduzi pela explicação que fizeste que já te afastaste das guerras do partido no passado de modo independente. Espero que continues assim. Tu e toda a JSD.

Tiago, não tenho dúvidas que és um JSD empenhado. Sempre que visito o teu blog leio coisas sobre o programa ganhar uma geração, e peço desculpa, mas se foste tu a apresentar o programa, na tua própria secção, assumi que fosses candidato. Se queres vir a ser, tem cuidado com quem te aconselha. Acho que o teu post de hoje foi um passo em falso.

Já não moro em Portugal caro Tiago, e por isso não nos conhecemos pessoalmente. Sigo o teu blog porque vem referenciado em muitos outros sites da JSD que vou acompanhando.

Ainda que tenhas uma análise política ligeiramente tendenciosa, aprecio a diversidade de temas que abordas.

Conto vir mais vezes.

Um abraço,

JSNascimento

Tiago Mendonça 5 de dezembro de 2009 às 13:51  

Caro Anónimo,

Agora percebo porque é que é anónimo. Não consegue fazer uma critica, que respeite os limites mínimos do civismo e da boa educação.

Mas enfim,

Quanto ao meu último parágrafo está explicado.

Quanto à Assembleia Municipal, peço lhe que pergunte a alguém da CPS do PSD/Moscavide se exigi um único lugar que fosse. Constatei, como aliás muitas outras pessoas o fizeram em sede de Assembleia de Secção, de que esse lugar, em certa medida, impediu um melhor resultado na Assembleia Municipal. Se foi mau para mim: Daqui a uns dias falamos. Se foi mau para o partido: Subiu em todas as freguesias que existiu representatividade Jota. Elegemos 8 pessoas, em 10 freguesias, num Concelho onde se obteve 16% dos votos. Até personalidades nacionais nos deram os parabéns.

Protagonismo na Distrital? Por apresentar moções e ideias?

Não me consigo colocar para quê? Mas falamos nisso daqui a alguns dias também.

Nunca ganhei eleições? Quer, antes ou depois de entrar na JSD? Antes : Duas Associações de Estudantes, sempre com mais de dois terços dos votos, e uma Assembleia de Escola, com vitória, essa, tangencial. A primeira delas estava há 3 semanas na Escola. Na JSD, lembro-lhe que ganhei eleições com 19 anos de idade, numa eleição disputadíssima contra a vice-presidente da altura. Tive perto de dois terços dos votos também. 3 semanas depois, ganhei as eleições para os Conselheiros Distritais, onde elegi três contra um. Uns meses depois, voltei a ganhar, com melhor percentagem, as eleições para delegados ao XIX Congresso Nacional da JSD. Depois, foi sempre em Lista Única. Deve ser porque sou criador de mau estar, que consigo gerar alguns consensos (não confundir consenso com unanimidade, que eu pessoalmente não aprecio). O que quer que faça? Que implore às pessoas para se candidatarem para que possa ganhar? Enfim.

Sobre maturidade, não vou sequer comentar, caro anónimo. Já teve linhas a mais.

Pedro,

Começo a achar que é precisamente o nosso posicionamento de autonomia que chateia muita gente.

João,

De facto é sempre complicado expressar-nos de forma escrita, pois as interpretações podem ser várias. Efectivamente, relendo o que escrevi, considero que a interpretação que fizeste era uma das possíveis do que escrevi. Sem dúvida. Mas espero ter esclarecido, e podes acreditar que é verdade, que nunca me passou pela cabeça que o Paulo Pereira se deveria demitir por causa de um resultado relativo ao Partido. Nem pensar! Aliás, se em Conselho Distrital alguém pedisse a Demissão do Paulo, por este único motivo, seria o primeiro a manifestar a minha discordância.
Sobre o meu posicionamento na guerra política para a JSD. Repara, eu não sou candidato a nenhum lugar. Sou alguém que apresentou algumas ideias, em jeito de programa é certo, que tem vindo a revelar preocupação com o que se passa o Distrito e que faz parte de um grupo fantástico de pessoas muito preocupadas com o estado actual da Distrital. Mas não sou candidato. Se um dia o for, não creio que tenha qualquer vantagem comparativa por ter apoiado o Dr. Carlos Carreiras, até porque se um dia o for, não admitirei nenhuma influência externa. Nem do Partido, nem da CPN. Acho que sabes do que estou a falar.

João, liderar implica duas coisas. Liderança, strictu sensu, é algo que nasce contigo, é algo ou se tem ou não se tem, não se treinada. E autonomia. Sem autonomia, somos uns fantoches, não somos líderes. Autonomia sei que tenho. Liderança, deixo para os outros avaliarem.

Quanto à divergência entre nós, julgo que está sanada. Acho que o problema foi interpretativo, e por isso, está tudo bem. Mais uma vez, desculpa o comentário mais emotivo, de facto não é o meu timbre, mas não me consegui conter, porque é uma das criticas que acho mais injusta.

Quanto a tudo o resto, um último comentário, que vai, por certo, deliciar o caro anónimo: “Vamos ter todos calma, muita calma”.

Anónimo 5 de dezembro de 2009 às 13:52  

Tiago, sou outro anónimo porque tenho medo de dizer o meu nome depois do que me têm feito.
Achas normal a secção A? Será daquilo que o PSD se deve orgulhar?
Devias ganhar juízo com isso da distrital da jota.

Tiago Mendonça 5 de dezembro de 2009 às 14:27  

Caro Anónimo,

Esclareça o que é ganhar juizo com isso da Distrital. É não dar ideias? É não apresentar programas? É não ajudar a realizar iniciativas? É o quê?

Explique por favor.

Tiago Fonseca 5 de dezembro de 2009 às 20:47  
Este comentário foi removido pelo autor.